Responsável por cerca 85% das informações processadas no cérebro, a visão é um dos sentidos mais importantes do corpo humano. Entretanto, conforme levantamento da KRC Research, 44% das pessoas no mundo acreditam que não precisam de exames oftalmológicos pelo simples fato de enxergarem, visitando um médico especialista apenas quando sentem dificuldade, o que pode já indicar algum problema em estágio avançado.

Com o objetivo de conscientizar a população sobre as diversas doenças e apresentar propostas para reduzir a perda de visão, foi criado em 2016 o Abril Marrom – Mês de Prevenção e Combate às diversas espécies de Cegueira, campanha que conta com o apoio do Grupo H.Olhos.

Segundo o último censo do IBGE, 53 mil pessoas são cegas na capital paulista, e grande parte destes casos poderiam ser evitados com o diagnóstico e o tratamento precoces. “A visita periódica ao oftalmologista é a melhor forma de identificar e prevenir doenças graves nos olhos, que podem levar à cegueira. O abril Marrom é uma ação expressiva para disseminar conhecimento e chamar a atenção das pessoas, comenta a Dra. Rachel Gomes, oftalmologista do Grupo H.Olhos.

Atenção à saúde ocular desde sempre

O cuidado deve começar desde o nascimento, com a realização do teste do reflexo vermelho (teste do olhinho), que pode identificar catarata congênita ou problemas retinianos. Uma avaliação de rotina com um oftalmologista é recomendada nos primeiros meses de vida, de preferência nos 3 primeiros, e a partir de então, a cada ano.

Entre os seis meses até os 5 anos, o alerta é para o estrabismo. A doença é caracterizada pelo desequilíbrio na função dos músculos oculares e causa um desalinhamento dos eixos visuais. Se não for corrigido, o estrabismo afetará o desenvolvimento correto da visão e causar ambliopia. Entre os 8 e os 14 anos, os erros de refração, como a miopia (dificuldade para enxergar objetos distantes) e a hipermetropia (incapacidade de visualizar claramente objetos próximos) são os problemas oculares que normalmente acometem as crianças e pré-adolescentes.

A partir dos 40 anos, a pessoa pode desenvolver glaucoma, que, quando não tratado, pode levar à cegueira irreversível. A doença é caracterizada pelo aumento da pressão ocular, o que provoca lesão nas fibras do nervo óptico. Visitas anuais ao oftalmologista para avaliação da pressão intraocular e do aspecto do nervo óptico são essenciais para detectar qualquer alteração e iniciar o tratamento o quanto antes.

Ao chegar aos 50 anos, a atenção com os olhos deve ser redobrada. Nessa idade, as pessoas ficam sujeitas a doenças como a catarata opacificação do cristalino (lente natural do olho), que resulta em uma diminuição progressiva da visão. Essa é uma das principais causas de cegueira no mundo, porém é reversível, e pode ser corrigida por meio de cirurgia.