SUA ÓTICA EM CUIABÁ ESPECIALIZADA EM ÓCULOS DE GRAU, SOL, LENTES E ARMAÇÕES.

Autismo e TDAH: diferenças intrigantes nos olhos de crianças.

Os cientistas conseguiram usar um teste chamado eletrorretinograma (ERG), que mede a atividade elétrica da retina em resposta à luz, para detectar diferentes padrões de atividade em pessoas com TDAH e TEA.

Pesquisadores da Universidade da Austrália Meridional e a Universidade Flinder revelaram, em novo estudo, que gravações da retina podem sinalizar distúrbios do desenvolvimento neurológico, como Transtorno do Espectro Autista (TEA) e o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O estudo foi divulgado no periódico  Frontiers in Neuroscience no último dia 6 de junho 2022.


Entende-se que quando se trata de condições do neurodesenvolvimento, como Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), quanto mais cedo e mais preciso for o diagnóstico, melhor. Quanto mais tempo para tratamento e gerenciamento de sintomas e, muitas vezes, um diagnóstico fornece às pessoas uma compreensão muito melhor de si mesmos.


No entanto, TDAH e TEA ? como muitos transtornos mentais ? exigem critérios para serem diagnosticados e existem em um espectro diferenciado. Não há um teste que possa identificar o que está acontecendo. Novas pesquisas sugerem uma alternativa potencialmente rápida e confiável para detectar sinais dessas condições: um teste de visão.
Os cientistas conseguiram usar um teste chamado eletrorretinograma (ERG), que mede a atividade elétrica da retina em resposta à luz, para detectar diferentes padrões de atividade em pessoas com TDAH e TEA.
“TEA e TDAH são os distúrbios do neurodesenvolvimento mais comuns diagnosticados na infância”, diz o optometrista Paul Constable, da Universidade Flinders, na Austrália. “Mas, como eles geralmente compartilham características semelhantes, fazer diagnósticos para ambas as condições pode ser demorado e complicado”.


“Nossa pesquisa visa melhorar isso. Ao explorar como os sinais na retina reagem aos estímulos de luz, esperamos desenvolver diagnósticos mais precisos e precoces para diferentes condições de desenvolvimento neurológico”.
Um total de 226 jovens foram incluídos na pesquisa, um estudo com amostragem pequena, mas que mostrou resultados que permitem expandir ? 55 com TEA, 15 com TDAH e 156 controles sem TDAH nem TEA. As varreduras mostraram que crianças com TDAH apresentaram maior energia ERG geral, enquanto aquelas com TEA mostraram menos energia ERG.


Os pesquisadores sugerem que as diferenças na forma como os cérebros de pessoas com TDAH e TEA são conectados ? a conectividade diferente e os diferentes níveis de mensageiros químicos, como a dopamina, por exemplo ? são refletidos nos olhos. Estudos anteriores também destacaram como os olhos podem refletir o que está acontecendo no cérebro.
Este é o primeiro estudo desse tipo e, portanto, ainda estamos em um estágio preliminar. No entanto, os resultados são suficientes para sugerir que padrões de comportamento ocular podem ser usados ??para identificar TDAH e TEA em crianças e distingui-los um do outro.


“Os sinais da retina têm nervos específicos que os geram, então, se pudermos identificar essas diferenças e localizá-las em vias específicas que usam diferentes sinais químicos que também são usados ??no cérebro, podemos mostrar diferenças distintas para crianças com TDAH e TEA e potencialmente outras condições de desenvolvimento neurológico”.


Constable, Paul
O TEA, que afeta cerca de 1 em cada cem crianças, leva a diferenças na maneira como as crianças se comportam: isso pode incluir como elas interagem com o mundo, por exemplo, e como se comunicam com outras pessoas.
Acredita-se que o TDAH afete entre 5 e 8 em cem crianças. Como o TEA, envolve o desenvolvimento do cérebro, mas neste caso é caracterizado por ser excessivamente ativo, lutando para controlar ações impulsivas e tendo dificuldade de concentração.


Existem tratamentos eficazes para controlar o TEA e o TDAH, mas um diagnóstico adequado é fundamental. Mais pesquisas agora serão necessárias para estabelecer exatamente como os sinais da retina diferem em pessoas com TDAH e TEA, em comparação com aqueles sem essas condições.


“Em última análise, estamos analisando como os olhos podem nos ajudar a entender o cérebro?, diz o psicólogo cognitivo Fernando Marmolejo-Ramos, da Universidade do Sul da Austrália. “É realmente um caso de observar este espaço; como acontece, os olhos podem revelar tudo.”

Fonte: Marinato

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram

Matérias Relacionadas

A saúde ocular da mulher

Oftamologista Keila Monteiro de Carvalho alerta sobre os problemas de visão mais comuns entre as mulheres Uma desvantagem para as mulheres: segundo dados da Organização

Outono pede mais cuidado com seus olhos

Poluição apontada no Brasil por relatório mundial resseca as mucosas, predispõe à alergia ocular, olho seco e conjuntivite. O 6º Relatório Mundial de Qualidade do