Médicos da disciplina de Oftalmologia da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC) localizada em Santo André estão atuando nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. São 29 profissionais voluntários responsáveis pelo atendimento dos atletas e integrantes das comissões técnicas que até o fim das competições.

Até agora, já foram realizados cerca de 2.000 atendimentos e a expectativa é que esse número chegue a 2.500 até o encerramento dos trabalhos, em 18 de setembro. “Para se ter uma noção da grandiosidade, na Olimpíada de Londres foram 1.400 atendimentos em todo o evento”, contou o chefe da disciplina de Oftalmologia da faculdade, Vagner Loduca Lima. Conforme a instituição, na edição anterior ainda não havia atendimento médico oftalmológico especializado.

A equipe médica realiza os atendimentos dividida em dois turnos (manhã e noite), sendo 15 profissionais em cada um, no centro médico. São tecnólogos oftálmicos e consultores óticos e de lentes de contato, entre outros apoiadores.

A iniciativa foi viabilizada a partir do convite do Hospital de Olhos Paulista, contratado pela organização do evento esportivo. O centro da Capital disponibilizou 21 oftalmologistas, além de todo o equipamento necessário para os atendimentos.

Lima, que é o responsável pela equipe no Rio de Janeiro, afirma que essa é experiência única de conexão com o esporte. “Na faculdade, tem o núcleo de medicina de esporte. Já atendemos atletas da região, principalmente de São Caetano. Enxergamos possibilidade de aproximação ainda maior com os atletas do Grande ABC. Além disso, há a possibilidade de conhecer novas culturas”, disse.

O atendimento feito aos atletas e comissão técnica é realizado por meio de marcação de consulta e triagem até os consultórios. Dependendo do caso, os pacientes já são encaminhados a uma farmácia, onde têm acesso gratuito a medicamentos e óculos e lentes de contato. As doações já somam mais de 1.000.

A maioria dos atendimentos (70%) é relacionada à definição do grau de correção e prescrição de óculos ou de lentes de contato. “A gente também já encontrou problemas mais graves como glaucoma duplo e descolamento de retina. Também já chegaram problemas ocasionados por algum acidente. Porém, o mais frequente é relacionado ao óculos”, afirmou.

A maioria das consultas é realizada em inglês, porém, em alguns casos, é necessário o acompanhamento de tradutor. “É uma verdadeira Torre de Babel, mas mesmo com essa barreira do idioma temos estrutura”, afirmou.

A expectativa da instituição de ensino é de que profissionais da FMABC participem de outros eventos esportivos de grande porte, como a próxima Copa do Mundo de Futebol, que será realizada em 2018, na Rússia.

“Eu gosto desse tipo de trabalho, a faculdade tem uma tradição nisso. É a realização de um sonho para quem gosta de culturas diferentes. Só de você poder andar na Vila Olímpica, tirar fotos com os atletas e conhecer de perto evento desse porte vale muito a pena”, disse o médico, emocionado.

Fonte: Diário do Grande ABC