Sua ótica em Cuiabá especializada em óculos de grau, sol, lentes e armações.

Email

contato@prootica.com.br

Os obstáculos, por outro lado, são impostos pela autonomia da bateria minúscula que acompanha as lentes de contato.

Lentes de contato inteligentes são um exemplo de tecnologias vestíveis encontradas apenas em filmes de ficção científica, mas esses acessórios podem ser trazidos à realidade muito antes do esperado, segundo as previsões de Mariyan Slavov do phoneArena.


Empresas renomadas flertaram com essa possibilidade no passado, além de companhias menores que preveem diversas aplicações, como a MojoVision, que exibiu um protótipo de lentes de contato inteligentes durante a CES 2020. O objeto era aumentar a nitidez dos cenários da vida real, além de exibir informações através de uma tela de 14.000 PPI.


Para comportar essa alta definição em um minúsculo display, a “MojoLens”, como foi chamada, utilizava microLED para projetar mapas, percursos e outras informações de interesse do usuário. Atualmente, a MojoVision está procurando voluntários para testar suas lentes de contato inteligentes para analisar suas aplicações em realidade aumentada (RA).


Durante a CES 2022, uma exibição de lentes de contato inteligentes foi realizada pela InWith Corporation com adaptações ao atual cenário do mundo tech, especialmente com foco no metaverso. A startup norte-americana afirma que a “plataforma possibilita um multiverso de aplicações em uma única lente de contato, desde AR e VR até biossensores”.


A tecnologia não é explorada apenas por organizações emergentes – a Apple, por exemplo, está trabalhando em seus primeiros óculos inteligentes, e segundo Ming-Chi Kuo, um par de smart lenses também está nos planos da big tech.


Há pouco mais de seis anos, a Sony também deu pistas de que está desenvolvendo sigilosamente uma lente de contato com câmera embutida. A patente registrada, na época, serviu como resposta às especulações em torno dos projetos do Google e Samsung.


Slavov conclui que os argumentos que preveem a chegada desses aparelhos daqui mais de 20 anos são exagerados, uma vez que “já estamos em uma corrida de gigantes tecnológicas para oferecer lentes de contato inteligentes prontas para os consumidores” e os protótipos elaborados pelas companhias são relativamente funcionais.


Os obstáculos, por outro lado, são impostos pela autonomia da bateria minúscula que acompanha as lentes de contato. Com os avanços de tecnologia impulsionados pela ascensão de veículos elétricos, é possível que esse empecilho seja contornado em breve.

fonte: Tudo Celular